Fabrício Carpinejar, o poeta que virou viral com versos em guardanapos

PATINHO FEIO - O gaúcho Carpinejar: o ex-aluno-problema agora é rei das pílulas de sabedoria –Leo Martins/Agência O Globo

Se o início da vida escolar não é fácil para muitas crianças, seus obstáculos foram ainda mais árduos para o escritor Fabrício Carpinejar. O popular poeta de Caxias do Sul (RS) usava botas ortopédicas e se comunicava de um jeito peculiar. Filho de dois poetas, aprendeu a falar com metáforas e perdeu um semestre por não conseguir acompanhar as aulas, que pareciam dadas em outro idioma. O modo heterodoxo de se expressar, quem diria, rendeu-lhe na época o diagnóstico médico de “retardo mental” — prontamente refutado pela mãe, que contratou uma professora particular para dar aulas em casa ao filho. “Era como um recreio eterno”, diz ele sobre a alfa­beti­zação realizada por meio de jogos e brincadeiras. A estratégia funcionou: em dois meses, Carpinejar voltou para o convívio da sala de aula, lendo e escre­ven­do melhor do que os colegas. A introdução pouco usual às letras ainda ganhou o reforço do incentivo doméstico: seus pais escondiam fotos dentro de livros, fazendo com que ele e os irmãos caçassem os presentes ao longo da leitura. Aos 8 anos, seu primeiro poema foi impresso no convite do velório da avó. Um começo doce, mas melancólico — que diz muito sobre o que viria a ser sua carreira.

+ Compre o livro Colo, por favor” de Carpinejar
+ Compre o livro Para Onde Vai o Amor? de Carpinejar

Hoje, aos 47, Carpinejar já publicou 45 livros, entre poemas, crônicas, romances e reflexões, todos banhados de pérolas que vão das agruras do amor até filosofias cotidianas. Colo, por Favor!, lançado em maio pela editora Planeta, tornou-se sensação entre os leitores em busca de alento no auge da pandemia. Com o sucesso da obra, ultrapassou a notável marca de 700 000 cópias vendidas na carreira. “Continuo sendo estranho, mas agora sou um estranho conhecido”, brinca. As vendas graúdas têm muito a dever à popularidade de Carpinejar tanto na televisão, onde se tornou figurinha fácil de programas como o Encontro com Fátima Bernardes, quanto nas redes sociais, que o alçaram ao posto de influenciador literário. Frases curtas de sua autoria são compartilhadas a granel por seus mais de 2,6 milhões de seguidores somados entre Facebook, Twitter e Instagram. No mundo virtual, ele adotou o que chama de “guardanapos poetizados”, em que aforismos são transcritos a mão no papel de textura que remete à dita sabedoria de bar. “A paixão emagrece, o casamento engorda, a separação envelhece, o amor-próprio rejuvenesce tudo de novo”, ensina uma das frases.

+ Compre o livro Cuide dos Pais Antes que Seja Tarde

As banalidades do dia a dia se tornaram sua matéria-prima, de brigas conjugais a conversas entre amigos. A escolha do guardanapo como meio de levar reflexões aos leitores nada tem a ver com a velha técnica do flerte — em que elogios são escritos no calor da bebedeira e enviados a um alvo com a ajudinha do garçom. Para Carpinejar, o guardanapo simboliza aquilo que é descartável, enquanto sua função de limpar pode muito bem ser aplicada à purificação dos pensamentos. “Eu me sinto um guardanapo”, analisa ele. De pérola em pérola, o ex-­patinho feio está cada vez mais valorizado ao mostrar a importância da trivialidade da vida.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 14 de outubro de 2020, edição nº 2708

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Colo, por favor” de Carpinejar

Para Onde Vai o Amor? de Carpinejar

Cuide dos Pais Antes que Seja Tarde

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade