‘Os 7 de Chicago’ usa caso judicial do passado para alertar sobre presente

Se não tivesse acontecido de fato, pareceria arroubo de roteirista excessivamente imaginativo: em pleno ano de 1969, o juiz mandou que o réu, único negro entre os acusados, permanecesse amarrado e amordaçado na sala do tribunal, por “insubordinação”. Tomou essa atitude chocante depois de ter negado repetidas vezes a Bobby Seale, um dos líderes dos Panteras Negras, seu direito a um advogado de defesa; o advogado nomeado estava hospitalizado, mas o juiz Julius Hoffman não viu nisso nenhum impedimento processual. Se havia outros advogados presentes ali, que se considerasse o direito cumprido, ora, ainda que Seale não fosse cliente deles e não quisesse sê-lo. Detalhe adicional: Seale não estivera presente aos eventos pelos quais o conjunto de réus estava sendo julgado. Quando, em 28 de agosto de 1968, a polícia partiu com tudo para cima dos manifestantes que havia dias se reuniam em Chicago, ele já tinha ido embora. A violação cometida pelo juiz foi tão abusiva que o caso do Pantera Negra acabou sendo desmembrado do restante do processo. Restaram, assim, “os 7 de Chicago”, como ficaram conhecidos os ativistas de tendências diversas, das mais brandas às mais combativas, julgados pelos protestos que marcaram a Convenção Nacional do Partido Democrata no verão de 1968. Por cerca de seis meses, o que se viu no tribunal foi uma farsa tão sinistra nas intenções e tão escancarada na execução que muitas vezes chegou a ser cômica.

Nem tudo que é cômico, porém, é engraçado, argumenta o roteirista e diretor Aaron Sorkin no agilíssimo Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7, Estados Unidos, 2020), que está disponível na Netflix a partir desta sexta, 16 — e cerceamento de expressão, distorção da Justiça, abuso de força armada e achaque por meio de poder político não são piada, ainda que perpetrados por bufões como Julius Hoffman (no filme, Frank Langella, em uma atuação brilhante em sua obtusidade) ou, nem é preciso dizer, Donald Trump, cujo governo é o verdadeiro alvo desta formidável reencenação.

+ Compre o livro The Trial of the Chicago 7, de Aaron Sorkin

Sorkin é o mais notável roteirista em atividade no cinema e na televisão, e construiu sua carreira como uma defesa contínua dos mecanismos que garantem a democracia e, ao mesmo tempo, como uma investigação dos vícios e tentações que a ameaçam. Da série The West Wing à mais recente The Newsroom, e de A Rede Social a Steve Jobs, seus roteiros dramatizam as várias facetas do eterno cabo de guerra entre poder e abuso. Os 7 de Chicago, entretanto, vai algo além: ao assombro por a democracia ter se demonstrado tão frágil no adiantado ano de 1969, soma-se a consternação por, cinco décadas depois, ela ter novamente degenerado até um ponto ainda mais extremo. Racismo declarado e ativo, repressão e criminalização da expressão pública, chicanas políticas e jurídicas empregadas na coação de desafetos — aquilo que o filme reconstitui é o que se repete, hoje, no noticiário.

SEM DIREITOS - Abdul-Mateen, como Seale, com Rylance, como um advogado: amordaçado no tribunal –Niko Tavernise/Netflix

De facções radicais a facções brandas, os manifestantes que se juntaram em Chicago em 1968 queriam protestar sobretudo contra a atitude pouco enérgica de Hubert Humphrey, o candidato democrata à Presidência, quanto à presença americana no Vietnã e à escalada do recrutamento compulsório de tropas. Todos os grupos que rumaram para a cidade pediram à prefeitura a designação de um local para se reunir: todos tiveram o pedido negado, numa manobra para tornar ilegais as manifestações. Foram assim mesmo, e toparam com a violência crescente da polícia — que, segundo o relatório interno elaborado pelo governo do presidente Lyndon Johnson, foi a incitadora da batalha que eclodiu em 28 de agosto, pela força desproporcional com que agiu e por ter deliberadamente encurralado os manifestantes em um parque. Ocorre que Humphrey perdeu a eleição para o republicano Richard Nixon, cujo procurador-geral detestava o antecessor — e, para fazer pirraça ao antigo ocupante do cargo e porque compartilhava dos pendores autoritários de seu chefe, ele decidiu desprezar as conclusões da investigação e processar as lideranças. Com o ditatorial e petulante Hoffman batendo o martelo no tribunal, o jogo já começou com as cartas marcadas.

Continua após a publicidade

+ Compre o DVD duplo de A Rede Social

A palavra-chave nos roteiros de Sorkin é “dramatização”: quando necessário, ele rearranja datas, fatos e personagens para chegar pelo melhor caminho à essência que deseja comunicar. A história de Os 7 de Chicago, contudo, pouco exige esse recurso: nem o episódio do ex-procurador-geral da República que teve o testemunho jogado fora (ele falou pela defesa) teve de ser inventado, tais as doidices que transcorreram ali. Onde Sorkin põe sua marca inconfundível é nos diálogos ultra-articulados, incisivos e saborosíssimos, magnificamente defendidos por um elenco que inclui Mark Rylance, Sacha Baron Cohen, Jeremy Strong, Michael Keaton, Joseph Gordon-Levitt, Yahya Abdul-Mateen II e Eddie Redmayne (este, no papel de Tom Hayden, que depois teve longa carreira política e se casou com a atriz e também ela ativista Jane Fonda). É duvidoso que tanta gente tenha esgrimido as palavras com tanta eloquência, durante tanto tempo, no mesmo lugar. Sobre o que Sorkin tem a dizer por meio de seus personagens, porém — aí não há dúvida nenhuma.

Publicado em VEJA de 21 de outubro de 2020, edição nº 2709

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


The Trial of the Chicago 7, de Aaron Sorkin

DVD duplo de A Rede Social

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade