Escutar é preciso

A onda de podcasts chegou há alguns anos ao Brasil, mas demorei a embarcar nela. Para mim, não fazia sentido passar horas “escutando” narrativas, quando minha pilha de livros continuava tão alta e minha lista de filmes e séries pendentes não parava de crescer. Então, no início do ano, muitas pessoas me recomendaram o podcast Projeto Humanos sobre o Caso Evandro, feito por Ivan Mizanzuk. Sem expectativas, comecei a escutar e, quando percebi, não conseguia mais parar.

Ao longo dos episódios, somos apresentados a um chocante caso real ocorrido em 1992: o sequestro e o macabro assassinato do menino Evandro em Guaratuba, no litoral do Paraná. Na época, o fato ficou conhecido como “As bruxas de Guaratuba”, já que as duas principais suspeitas eram Celina e Beatriz Abagge, esposa e filha do prefeito. Segundo a tese policial, as duas haviam feito um ritual de magia com o corpo. Em um roteiro primoroso, Mizanzuk destrincha o caso de modo didático e viciante, com ganchos fortes, jogando com a curiosidade do ouvinte: afinal, as rés são culpadas ou inocentes? Quem são os outros envolvidos? Qual é o papel da imprensa e da polícia nessa investigação repleta de erros grosseiros?

Mesmo sendo autor de histórias policiais, o crime real nunca me fascinou muito. Em geral, a violência é brutal, vulgar e ilógica. Para mim, só faz sentido mergulhar em histórias de crimes reais quando essas narrativas ajudam a discutir temas e lançar reflexões. Sem dúvida, esse é o maior mérito de O Caso Evandro: mais que um bom mistério, Mizanzuk faz uma crônica de costumes da sociedade paranaense, além de crítica brutal à força policial e à imprensa sedenta por sangue a qualquer custo.

“A experiência de ouvir um programa do tipo fica no meio do caminho entre a literatura e o audiovisual”

No mesmo sentido, vale mencionar Praia dos Ossos, meu vício mais recente. Produzido pela rádio Novelo e apresentado por Branca Vianna, o podcast revisita o conhecido Caso Doca Street, ocorrido em 1976. Ângela Diniz, socialite mineira de 32 anos, foi assassinada pelo então namorado, Doca, em Búzios. Mais tarde, Doca usou no tribunal o argumento da legítima defesa da honra para escapar da condenação. Afinal, para que voltar a esse caso mais de quatro décadas depois? O segredo está na abordagem: tendo o crime como ponto de partida, o podcast discute machismo, feminicídio e traz um mosaico potente da sociedade mineira. É chocante acompanhar o jogo argumentativo no Tribunal do Júri, no qual o advogado de defesa (Evandro Lins e Silva) constrói uma narrativa em que Doca é a vítima e Ângela é a “culpada” pela própria morte. Mais atual, impossível.

Na esteira de podcasts brasileiros sobre crimes reais, vale também conferir o Modus Operandi, de Carol Moreira e Marina Boa-fé; o Que Crime Foi Esse?, de Anna Lívia Marques e Fernanda Renton; o Café com Crime; e o 1001 Crimes. A experiência de ouvir um programa do tipo fica no meio do caminho entre a literatura e o audiovisual. Do cinema, traz o uso do som, da montagem e da trilha. Da literatura, a figura do narrador, que cria cumplicidade. A imersão se aproxima mais daquela de quem devora um livro. Com um bom podcast para escutar, lavar a louça, correr na esteira ou arrumar a casa pode ser mais divertido do que você imagina.

Publicado em VEJA de 4 de novembro de 2020, edição nº 2711

Continua após a publicidade