Zezé Motta se emociona ao recordar racismo durante trabalho em Corpo a Corpo

Zezé Motta

Zezé Motta
Zezé Motta em entrevista a Pedro Bial (Imagem: Reprodução / Globo)

Zezé Motta, 76 anos, foi entrevista por Pedro Bial na madrugada deste sábado (21) e, em meio ao clima do Dia da Consciência Negra, a atriz recordou os ataques racistas que sofreu durante o seu trabalho na novela Corpo a Corpo, de Gilberto Braga, de 1984. Na época, ela contracenava com o ator Marcos Paulo.

“Foi feito uma pesquisa sobre o que as pessoas achavam desse casal e todos nós ficamos muito chocados com certas reações”, recordou. “Teve um senhor que falou que não acreditava que o Marcos Paulo estivesse precisando tanto de dinheiro para passar pela humilhação de ter que beijar uma mulher negra, feia e horrorosa como eu na boca”, disse.

“Outro disse que se fosse obrigado a beijar aquela mulher por uma questão de trabalho, ele lavaria a boca com água sanitária quando chegasse em casa. Foram coisas muito violentas mesmo”, afirmou ela, que viu mudanças quando ganhou fama pelo trabalho na TV. “Realmente mudou para mim, mas sempre digo que enquanto alguma Maria José, algum João ou José estiver sendo violentado por uma questão de racismo, eu vou sempre fazer parte do combate ao racismo”, enfatizou.

Na novela, Zezé Motta era Sônia, uma paisagista que vivia um relacionamento com Cláudio (Marcos Paulo), ao mesmo tempo em que enfrentava o racismo da família do amado. Na história, o pai de Cláudio, interpretado por Hugo Carvana, nãoa dmitia a relação pois não queria “netos mulatinhos”.

“Estamos falando de uma época em que a questão do racismo era discutida muito pelo Movimento Negro Unificado contra a discriminação racial, pelo qual eu fazia parte, mas eram discussões muito fechadas, só entre nós”, ressaltou. “Hoje em dia o racismo deixou de ser um tabu e a gente já discute abertamente isso, e não só entre nós, mas na sociedade toda”, observou.

“É muito interessante e emocionante quando a gente percebe que temos muitos aliados, e que nem todos os brancos são racistas. É gratificante esses contatos para constatar isso”, refletiu Motta.

Sobre o trabalho em Corpo a Corpo, a famosa confessou que se apaixonou por Marcos durante a novela. “Eu fiquei apaixonada pelo Marquinhos, mas a Malu Mader também fazia a novela e ele se apaixonou por ela. Antes de surgir a Malu, rolava até um clima entre nós, parecia que ia acontecer alguma coisa, mas sabe como é que é, o coração dele falou mais alto”, contou.

O post Zezé Motta se emociona ao recordar racismo durante trabalho em Corpo a Corpo apareceu primeiro em RD1 → Audiência da TV, Notícias da TV e Famosos.